sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Dicas incríveis de tipos de pisos para sua área externa!

Olá pessoal!

Pra você que pretende reformar ou construir sua área de lazer, como piscina, churrasqueira. Este ótimo artigo postado por Cristina Campos no Blog Assim eu gosto, ajudará você a definir o melhor tipo de piso para cada tipo de ambiente. Veja que com todos esses tipos de pisos, móveis de fibra sintética, móveis de alumínio e móveis de tela sling darão um charme a mais em qualquer ambiente.

Confira nossos móveis em www.encantarvoce.com.br.


Dicas fantásticas!

Pisos para área externa.

Uma das dúvidas mais frequentes de quem está construindo ou reformando é decidir qual o piso ideal para colocar na varanda, em volta da piscina e na churrasqueira. Isso porque não existe nenhum material perfeito para as exigências dessas situações, ou seja, antiderrapante e fácil de limpar e que não necessite de manutenção frequente. Essas características são incompatíveis, já que pisos fáceis de limpar são lisos e escorregadios, e os antiderrapantes têm superfícies porosas e irregulares que facilitam o acúmulo de sujeira e dificultam a limpeza, necessitando ainda de impermeabilizações constantes. (Tem alguma empresa por aí desenvolvendo um material que reúna essas especificações simultaneamente? Conta pra gente!)

Tendo em mente que não existe uma especificação ideal, pra cada caso existe uma solução. O desafio é escolher o material mais adequado avaliando as vantagens e desvantagens de cada um, levando em consideração o custo, os aspectos físicos e estéticos, mão de obra disponível e frequência de manutenção. Opções não faltam!

Esse é o material mais usado atualmente nas áreas de lazer. São fabricados em concreto de alto desempenho, possuindo resistência mecânica e durabilidade. Os modelos indicados para áreas externas são antiderrapantes e atérmicos (não esquentam), possuem variedade de padrões e medidas e podem ser usados inclusive para o acabamento das bordas de piscina, uniformizando o espaço.

É um produto que exige impermeabilização para reduzir a absorção de água e gordura, facilitando a limpeza. Também é necessário o uso de uma cera que deve ser reaplicada a cada 2 meses. Outra desvantagem são as juntas, que precisam ser de no mínimo 4mm. (São largas, juntam sujeira e são mais complicadas de limpar).

A limpeza deve ser frequente e com produtos especiais indicados pelo fabricante, nunca com produtos ácidos, pois os cimentícios não resistem à abrasão. Recomenda-se o uso de lavadoras de alta pressão com jato d’água tipo leque.

O mármore sempre é um revestimento nobre e para áreas externas os mais usados são o Travertino e o Bege Bahia, exatamente por seu aspecto rústico-sofisticado (lindo!), principalmente quando levigados. O levigamento é um acabamento semi-polido com resultado anti-derrapante sem ficar rústico demais. Por serem claros eles também não esquentam muito.

A impermeabilização é feita no contrapiso e nas peças no momento da colocação. Depois disso a única manutenção é a limpeza bem frequente, já que o mármore é um material poroso que encarde com facilidade. A limpeza é feita com produtos próprios à base de ácido muriático e com a ajuda de vassoura de piaçava. Se optar por esse material na área da churrasqueira proteja-o da gordura, os mármores são altamente absorventes e podem manchar.

Adoro os decks de madeira, são rústicos e deixam a área de lazer com clima de praia, já que remetem à navegação. A madeira tem a vantagem de não impermeabilizar o solo, já que não exige contrapiso. Deve-se optar pela madeira de reflorestamento (sustentável)tratada.

Ao contrário do que muita gente pensa, a madeira tratada adequadamente é resistente ao tempo. O processo de autoclave (já falamos dele aqui) evita o apodrecimento e ao ataque de fungos e insetos. A manutenção deve ser feita com o uso de stain, um fluido que penetra na madeira e protege contra a chuva e o sol. A reaplicação deve ser feita a cada 2 anos e dispensa a raspagem, já que ele não forma uma película na superfície, o que mantem a madeira com aspecto natural. ( Nada daqueles vernizes brilhantes que se usava antigamente e davam uma trabalheira para lixar e reaplicar todo ano!)

O fulget (também conhecido como uma granilite rústica) é uma massa de cimento misturada com aditivos e granulados de pedras moídas, como granitos, mármores, quartzos, entre outros. Possui uma grande variedade de cores, é resistente, não deixa a sujeira aparente e é fácil de limpar, não exigindo nenhuma manutenção específica.

Altamente antiderrapante, tem a desvantagem se ser muito áspero (um pouco desconfortável para pisar descalço). Sua instalação requer mão de obra especializada e exige a colocação de juntas regulares, para evitar fissuras. Outra desvantagem é que sua superfície uniforme não admite remendos no caso de ser necessário quebrar pra fazer algum reparo em instalações que fiquem embaixo dele.

As pedras (São Tomé, Pirenópolis, Miracema, etc) têm aspecto rústico e são um dos materiais mais adequados e utilizados em áreas externas. São naturalmente antiderrapantes por causa da superfície irregular. Porém, dependendo da tonalidade elas podem esquentar.

Como são porosas, absorvem água e gordura, podendo manchar. A limpeza com água e detergente neutro deve ser freqüente, com a ajuda de esfregão. De tempos em tempos é necessária uma limpeza mais profunda com ácido muriático, que deve ser feita com empresas especializadas.

Os “lajões“, como são chamados a pedras vendidas em formatos irregulares e em grandes tamanho
s, formam bonitos desenhos e podem ser assentados com contrapiso ou entremeados com a grama. Sua instalação requer uma boa mão de obra devido aosencaixes que devem ser pensado um a um, como um quebra-cabeça.

O mosaico português tem a vantagem de ser permeável, pois sua instalação não necessita de contrapiso, apenas de uma camada de areia. As pedras de pequena dimensão são adaptáveis às ondulações do terreno, também não sendo necessário o nivelamento do mesmo. Porém, a colocação é trabalhosa e requer mão de obra especializada.

Ambientes com uma proposta mais rústica ficam lindos com esse revestimento. As cerâmicas são materiais resistentes e duráveis e possuem diversos acabamentos e tonalidades. Na hora de escolher, fique atento a duas siglas: quanto maior o PEI (Porcelain Enamel Institute), maior a resistência à abrasão e produtos com CA (Coeficiente de Atrito) maior que 0,4 são consideradas antiderrapantes.

O contrapiso deve ser impermeabilizado e se o acabamento for poroso, é necessário aplicar produtos hidrorrepelentes e oleofugantes. Assim como as pedras, cerâmicas porosas sofrem a ação do tempo e podem manchar. A limpeza é feita com água e detergente neutro.

Por possuírem baixo índice de absorção de água, os porcelanatos são mais resistentes que as cerâmicas e as pedras naturais, não sendo necessária a impermeabilização. A junta fina dificulta o acúmulo de limo e limpeza pode ser feita com detergente neutro.

Os porcelanatos indicados para áreas externas são os de superfície natural (sem polimento) e há no mercado uma diversidade enorme de cores e modelos. Devem ser observados as mesmas siglas da cerâmica (PEI e CA).

A tendência atual é uniformizar os ambientes externos com o mesmo piso, que envolve a piscina, passa pela varanda e muitas vezes entra pela casa… Mas nem sempre o mesmo piso é o mais adequado para todos os espaços. Cada uso tem exigências específicas e misturar os materiais pode ser uma boa solução.

A área da varanda e cozinha gourmet recebeu o piso de cimento queimado e em volta da piscina foi utilizado um deck de madeira, criando um contraste e delimitando bem as áreas.

A pedra portuguesa aqui revestiu toda a volta da piscina, mas a borda recebeu peças de cimentícios, pensadas exatamente para esse fim, com acabamento arredondado e superfície atérmica.

O porcelanato que reveste a varanda é o mesmo do restante da casa e deve ser antiderrapante, pois é comum as pessoas saírem da piscina e entrarem na varanda ainda molhadas… O cimentício, mais uma vez, fez o acabamento da borda da piscina.


Na primeira foto o deck de madeira foi a opção para o piso da varanda, mas dentro da churrasqueira foi colocado um piso de granito, facilitando a manutenção dessa área sujeita à gordura. / Na segunda imagem o deck de madeira se mistura com o piso de granito bruto. Na borda, cimentício com acabamento arredondado.


- Independente do material que você escolher, siga sempre as recomendações do fabricante para a instalação, limpeza e manutenção.

- Não brigue com o envelhecimento natural dos materiais, todos sofrem a ação do tempo, a tonalidade muda e algumas manchas sempre aparecem.

- Opte por cores claras, mas não o branco total! O encardido do tempo fica mais evidente, e além disso, nos horários de muito insolação, eles refletem a luz e podem ofuscar. É sério, numa Casa Cor do Rio uma vez usaram um cimentado bem branquinho em toda a área externa. Resultado? Vários visitantes caíram na piscina porque não conseguiam enxergar nada.